Arquivos mensais: agosto 2012

Tratamento Antienvelhecimento

Terapia  ortomelecular , reposição hormonal e atividade física. Qual pode trazer resultados verdadeiros?

 

Tratamento Antienvelhecimento

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou um parecer condenando a prescrição de hormônios em tratamentos antienvelhecimento, por não haver evidências científicas de que a terapia seja eficiente. Dentro de até dois meses, uma resolução proibindo médicos de recomendar o uso desses produtos deverá ser editada. “O Código de Ética já mostra que médicos não podem indicar terapias não comprovadas cientificamente. “O que vamos fazer é deixar mais clara a proibição da indicação de hormônios”, afirmou o vice-presidente do CFM, Carlos Vital. Nos últimos quatro anos, cinco médicos foram cassados por indicar tratamentos sem comprovação científica. No mesmo período, outros 10 profissionais foram condenados pelos mesmos motivos a penas de suspensão e censura pública. “Embora a medicina tenha avançado, a promessa de eterna juventude ainda está no campo das fábulas”, disse Vital. Entre os hormônios indicados por médicos que atuam em clínicas de envelhecimento estão a melatonina, o cortisol, o hormônio do crescimento, progesterona e testosterona. “Os trabalhos reunidos até o momento mostram que, em pessoas saudáveis, o uso dos hormônios aumenta o risco de uma série de doenças”, afirmou a geriatra Maria do Carmo Lencastro, integrante da Câmara Técnica do CFM: hipertireoidismo, câncer, calvíce, infertilidade, AVC, infarto síndrome do pânico…

Esta é segunda recomendação feita pelo CFM relacionada a terapias que prometem interromper ou retardar o processo de envelhecimento. Em 2010, uma resolução do colegiado proibiu a indicação de terapia ortomolecular, também por não haver eficácia comprovada. Estas terapias passam a ilusão de que o paciente está comprando saúde, o que, por sua vez o levar a deixar de adotar um estilo de vida saudável.

 

Casos:

Buskman contou ter recebido em seu consultório pacientes com efeitos colaterais provocados por essas terapias. Mas ele ressalta que, muitas vezes, os próprios pacientes escondem o fato de terem adotado a terapêutica. “No fundo, eles sabem que o tratamento é condenado, que não há evidências de resultados. Mas o medo de envelhecer acaba falando mais alto”. Ele diz que o controle dessas proibições pelo CFM não é fácil de ser realizada. “Dificilmente o paciente denuncia. Em primeiro lugar, porque pacientes se iludem com a promessa feita pelos médicos. Depois, porque não associam efeitos colaterais aos remédios”.

Benefícios da Atividade Física:

A prática de atividade física moderada (não competitiva) e regular, produz inúmeros benefícios à saúde: mantém os níveis de pressão arterial, colesterol, triglicérides e glicose sanguíneos, evitando AVC e infarto; libera substâncias anti-inflamatórias, evitando vários tipos de câncer; libera hormônios do prazer e bem estar  evitando depressão e solidão. Por fim, favorece o ganho massa óssea e muscular, mantendo assim o idoso saudável, livre de dores e com independência física, o que faz o idoso viver por muito mais tempo e com ótima qualidade de vida.

Parar de Fumar Engorda Quanto? A academia ajuda no combate ao cigarro?

Parar de Fumar Engorda Quanto

Uma das preocupações que o fumante tem quanto decide parar de fumar é exatamente o quanto parar de fumar engorda. O vício de fumar é um dos mais difíceis de ser tratado. Em vários países do mundo, os dependentes são reabilitados nos mesmos centros de desintoxicação das demais drogas químicas. O bom mesmo é não cair na tentação e não experimentar. A capacidade viciante do cigarro é extremamente elevada e as tentativas de abandonar o vício, com tratamentos alternativos, são frequentemente frustradas: adesivo e chiclete de nicotina, medicamentos, psicoterapia, acupuntura etc.

Determinar quantos quilos as pessoas acumulam, em média, depois que deixam de fumar foi o objetivo dos pesquisadores coordenados por Henri Aubin, professor de psiquiatria do Hôpital Paul Brousse, na França. Doze meses depois de abandonar o cigarro, as pessoas engordam, em média, 5 quilos. A maior parte do peso é acumulado nos primeiros três meses: “Há muito tempo se sabe que a nicotina inibe o apetite e acelera o metabolismo, estresse químico; quando o organismo deixa de recebê-la, o ex-fumante engorda.”

A atividade física regular é sabidamente uma efetiva estratégia terapêutica no combate ao vício do cigarro. A liberação de endorfinas reduz bastante a fissura (que é o enorme desejo de voltar a fumar ), bem como os efeitos adversos desse período: tremores, irritabilidade, insônia, aumento do apetite, depressão… O exercício físico libera substâncias anti-inflamatórias que ajudam combater os efeitos deletérios da fumaça do cigarro. Por fim, o gasto calórico advindo da atividade física tende a neutralizar o ganho de peso no ex-fumante.