Artrose e Atividade Física


O aumento significativo da produção científica na área de saúde (medicina, nutrição, educação física…) Associado ao maior Investimento na área de saneamento básico são apenas dois fatores citados como responsáveis pelo  aumento da longividade em indivíduos nos países em desenvolvimento, incluindo o brasil.

Uma das conseqüências negativas para este constante aumento da idade é o desgaste natural das articulações, particularmente a cartilagem, que é a estrutura que reveste as extremidades ósseas, resultando numa patologia denominada  artrose, osteoartrose ou osteoartrite. Obesidade, sedentarismo, alterações posturais nos membros inferiores e excesso de exercícios sem orientação profissional (periodização do treinamento), são outros fatores contribuintes. Condromalácia ou condropatia patelar é a forma de artrose, mais prevalente entre as mulheres. No “desespero” de emagrecer e ganhar  músculos rapidamente nas pernas e glúteos, elas realizam diversas modalidades de uma só vez: spinning, jump, step, corrida, musculação,etc., e quando as pernas ficam bonitas e torneadas, o que fazem? Usam sapato alto freqüentemente, o que é um veneno para esta patologia.

 

A atividade física bem planejada pelo educador físico além de fortalecer os músculos, fortalece também as demais estruturas circundantes: cartilagem, ossos ,tendões, meniscos e ligamentos. Por isso é importante seguir a orientação do profissional de educação física. No entanto, os alunos que possuem condromalacia patelar ou artrose, deveriam ser avaliados pelo fisioterapeuta Vinicius Galvão, munidos de exames de imagem (ressonância magnética, rx), para que fosse elaborado um programa de exercícios com suas devidas limitações e contra indicações.

 

O tratamento bem elaborado para o tratamento da condromalácia patelar deve incluir: perda progressiva da gordura corporal, alongamento de músculos específicos, crioterapia (gelo)  aplicada adequadamente, fortalecimento com exercícios em ângulos seguros e orientações gerais quanto às aulas permitidas, utilização de  tênis adequado, e uso de condroprotetores que são suplementos que tem por finalidade aumentar a resistência das cartilagens. Condroflex e Artolivre são os, mas conhecidos, porém muito caros.

Dica: o mesmo suplemento ,importado dos estados unidos, é encontrado por menos da metade do preço nas lanchonetes da academia espaço 10 : ART AID.

Realize atividade física sempre com um profissional de educação física. Esta é a melhor maneira de melhorar  sua saúde com total segurança e ótimos resultados. Bom treino.

Síndrome da Fibromialgia

Nos anos 40, pessoas que apresentavam dores na coluna com ou sem ciatalgia incluindo ou não alterações do sono ou psicológica, foram classificados como portadores de lombalgia psicogênica ou raquialgia neurótica. Em 1990 o (ARC) unificou estes termos numa mera denominação de fibromialgia. O seu diagnóstico é detectado apenas com a avaliação clínica: dor generalizada crônica em 11 ou mais dos 18 pontos dolorosos. Distúrbios do sono, do humor, prisão de ventre, sensibilidade ao vento frio, garganta seca, sensação de peso nos olhos e de aumento de volume articular, fadiga, rigidez matinal, parestesias, perna inquieta, tonturas, instabilidades ao andar, dificuldade de engolir, ansiedade, depressão, fobias, manias,  síndrome do pânico; podem ou não estar presentes: 100% dos pacientes apresentam distúrbios do sono e acordam cansados mesmo dormindo de 8 a 10 horas; 75% queixam-se de fraqueza e adormecimento nos membros; 50% apresentam depressão; 50% têm dor de cabeça e cólon irritável; há uma predileção clara pelas mulheres.

O inicio do processo não está bem claro. Alguns relatam excesso de trabalho, estresse psicológico e atividade física extenuante (atletas). Inúmeros estudos mostram que processos catastróficos existem na história das fibromiálgicas: grandes acidentes, abusos sexuais, perdas econômicas e familiares, etc. Coincidentemente o quadro dos sintomas piora no horário do acontecimento, por exemplo: se a associação foi feita com abuso sexual a dor piora ao anoitecer e na cama. Alguns autores vêem nos pacientes um ressentimento, com descontentamento e revolta. Como não podem dar vazão a essa hostilidade no emprego, na família, na sociedade, permanecem em constante estado de estresse e tensão muscular, o que leva à dor, tensão, rigidez, fadiga, insônia e conseqüentemente a incapacidade de relaxar.

Não há exames laboratoriais e radiológicos que possam identificar esta doença. O exame de sangue mostra apenas que quanto menor a quantidade de triptofano (precursor da serotonina-hormônio analgésico natural), maior o sintoma doloroso. Até mesmo a eletromiografia é incapaz de diagnosticar.

Não há exames laboratoriais e radiológicos que possam identificar esta doença. O exame de sangue mostra apenas que quanto menor a quantidade de triptofano (precursor da serotonina-hormônio analgésico natural), maior o sintoma doloroso. Até mesmo a eletromiografia é incapaz de diagnosticar.

Tratamento:

Como a fibromialgia é uma doença poli-sintomática tenta-se tratar o paciente com o quadro que ele apresenta: tratamentos psicológicos, sedativos, analgésicos, antiflamatórios não-hormonais, drogas músculo-relaxantes, antidepressivos, antipsicóticos, psicoterapia breve, corticóides e vitamina B12, tratamento homeopático, infiltrações locais e intratecais, acupuntura, fisioterapia: trações vertebrais, massagem, técnicas manipulatórias, … etc. constituem 0 arsenal de recursos terapêuticos no combate a esta patologia.

A nossa experiência com fibromialgia e exercícios vem mostrando que realizando diariamente atividade aeróbica moderada de no máximo 30 min.
musculação leve e, alongamentos e trações suaves fez melhorar bastante o quadro sintomático de forma impressionante. Provavelmente a liberação de endorfinas (substâncias analgésicas naturais) aliado em conseguir atingir um sono mais profundo pós-esforço físico pode explicar parcialmente a redução importante da maioria dos sintomas nos fibramiálgicos. O relato da melhora da qualidade de vida nestes pacientes faz instigar o aprofundamento de novas pesquisas com esta nova terapia, a atividade física. Muitas novidades deverão surgir a exemplo da supressão de lactose da alimentação na melhora das dores musculares.

Maiores informações no site: www.fibromialgia.com.br.

Fibromialgia

O paciente apresentava distúrbios do sono, fadiga constante, dores por toda parte do corpo (mínimo 11 locais) e depressão. No entanto há seis meses atrás,  o cientista norte-americano, Dr. Ford, descobriu que se tratava de uma doença bacteriana. Este micro organismo tem como seu habitat natural, a flora intestinal humana. Muitos indivíduos que possui o hábito ou necessidade de administrar constantemente antiinflamatórios e antibióticos têm grande parte da flora intestinal destruída. Resultado? As bactérias migram para outro habitat, a corrente sanguínea, e nela passam a liberar toxinas causadoras de dores generalizadas (mialgia) em pelo menos onze pontos musculares específicos. As fibras musculares mais atingidas são os anaeróbicos (tipo II), por possuir menor capilarização e maior facilidade em acumular metabólitos. A dor (juntamente com insônia e assim a depressão) é potencializada pela redução da produção endógena de serotonina, a qual, 90% é produzida no intestino, que foi agredido pela ação dos medicamentos citados.

O tratamento não medicamentoso é constituído de atividade aeróbica e musculação. A musculação tem a vantagem de transformar as fibras para menos anaeróbicas: tipo II b para tipo A, mais capilarizadas e que acumulam menos metabótitos.

A atividade aeróbica aumenta a produção de serotonina, analgésico natural, e auxilia no aumento da resistência e desintoxicação orgânica geral.

A atividade aeróbica aumenta a produção de serotonina, analgésico natural, e auxilia no aumento da resistência e desintoxicação orgânica geral.

O medicamento consiste na administração de soro específico (bactericida), de ação fulminante, conjugado com “reconstituidores” da flora intestinal (o antigo habitat natural das bactérias desencadeadoras da fibromialgia). Porém se além das bactérias, o paciente for portador das bactérias do Ryle (proveniente dos carrapatos), o tratamento se prolonga por mais um mês, sendo muitas vezes necessário o acompanhamento psicológico devido à depressão muitas vezes instalada.